Investimentos em Token e Criptoativos: Tudo o que você precisa saber sobre eles!

Com a Transformação Digital que ocorreu e segue ocorrendo ao longo dos anos, é inegável que surgiram novas formas de realizar negócios. Entre as ferramentas fundamentais para que eles sejam realizados, não podemos deixar de destacar os criptoativos.

O que são os criptoativos?

São ativos digitais que são protegidos por criptografia. Eles estão presentes exclusivamente em registros digitais e todas as operações que envolvem criptoativos são realizadas e armazenadas em uma rede.

Os criptoativos surgiram para facilitar as transações financeiras eletrônicas ou pagamentos entre indivíduos ou empresas. Assim, não é necessária a intermediação de instituições financeiras, o que traz muito mais agilidade para os processos.

Como funcionam os criptoativos?

O funcionamento dos criptoativos se baseiam na tecnologia conhecida como Blockchain. Ela funciona como um livro contábil e assegura todas as informações relacionadas às transações realizadas.

Todas essas informações são armazenadas dentro de  blocos, que possuem registro de hora e data. De tempos em tempos, um novo bloco é formado e acoplado a um bloco anterior, tornando-se assim extremamente segura.

Quando criada uma “cadeia de blocos” (por isso o nome Blockchain) torna-se imutável, ou seja, que em hipótese alguma será alterada. Caso uma simples vírgula fosse alterada no primeiro bloco, todos os outros milhares de blocos teriam que ser alterados também.

Antes de serem inseridas, de fato, na Blockchain, todas as informações sobre os criptoativos são validadas e precisam, obrigatoriamente, ser aprovadas. Quando isso acontece, elas passam a ser identificadas por um código alfanumérico.

A Blockchain possui uma grande importância nas transações de criptoativos, uma vez que é ela quem  registra e garante a segurança de todos os dados.

Quem possui o código alfanumérico se torna o proprietário dos criptoativos. Esses ativos podem ser negociados através de Exchanges ou bilateralmente, sem intermediações.

Como operar criptoativos?

Para que você possa operar criptoativos, é necessário possuir uma wallet, que conta com uma chave pública e uma chave privada. A pública serve para publicar suas transações na rede, enquanto a privada se faz necessária no momento de acessar a wallet e operar com ela.

É importante ressaltar que os criptoativos não residem em registros digitais de nenhuma instituição financeira.

Existem, atualmente, centenas de criptoativos, como por exemplo as criptomoedas, os tokens, as stablecoins e outros. Cada um tem as suas próprias regras de funcionamento, que são elaboradas pelos criadores e desenvolvedores dos criptoativos.

Qual a diferença de criptomoedas e tokens ?

As criptomoedas são ativos nativos de uma rede Blockchain que podem ser utilizados como um meio para transações e para armazenamento de valor. Elas são descentralizadas, ou seja, são emitidas diretamente pelo protocolo Blockchain em que são executadas, não por bancos ou governos específicos.

Em muitos casos, as criptomoedas não são usadas apenas para pagar taxas de transação na rede, mas também para incentivar os usuários a manter a rede da criptomoeda segura.

Os tokens, por sua vez, são basicamente unidades de valor que organizações ou projetos baseados em Blockchain desenvolvem em cima de redes blockchain existentes. Embora muitas vezes compartilhem compatibilidade profunda com as criptomoedas dessa rede, eles são uma classe de criptoativos totalmente diferente.

A diferença entre criptomoedas e tokens é que as criptomoedas são o ativo nativo de um protocolo de Blockchain específico, enquanto os tokens são criados por plataformas que se baseiam nessas Blockchains.

Sendo tokens ou criptomoedas, é inegável o impacto que os criptoativos tiveram e têm até hoje, na forma como as pessoas realizam transações. É só olhar a evolução nas formas como os negócios eram feitos, primeiro por trocas, depois utilizando moedas, notas de papel, cartões de crédito e débito, internet banking e chegando onde estamos atualmente.

Qual é a diferença entre Tokens e Ações?

Antes de começarmos a falar sobre a diferença entre ações e tokens, é importante ressaltar que existem 4 principais tipos de tokens.

Aqui, vamos nos focar sobretudo nos Security Tokens, que representam o direito de participação de empresas, possuem regulamentação bem definida e são os que mais se aproximam das ações.

Também é importante sempre acompanhar as atualizações acerca dos STOs que serão discutidos mais para a frente, já que suas regras podem ser modificadas com o tempo ou dependendo da região.

Dito tudo isso, vamos começar pela definição dos conceitos.

O que são tokens?

Tokens são criados em blockchains já existentes e podem representar diferentes ativos, desde empreendimentos imobiliários até obras de artes digitais. Eles são negociados com facilidade a partir da tecnologia dos Smart Contracts.

Como os tokens são capazes de representar qualquer ativo, eles podem ser usados como ativos digitais, cotas de uma empresa ou acesso a certos projetos.

Os Security Tokens são aqueles que o valor está atrelado a um ativo que pode ser negociado e ter alterações em seu próprio valor. Por isso, frequentemente são comparados às ações.

O que são ações?

Ações são frações de uma empresa ou organização que são distribuídas entre os donos para representar suas posses. Dessa forma, somando todas as ações, você encontra o valor da empresa que elas representam.

Muitas empresas são definidas como de “capital aberto”, o que significa que elas distribuíram suas ações para serem negociadas na bolsa de valores.

Se o valor dessas partes aumenta, todos os donos têm suas ações valorizadas e, em certos casos, podem receber dividendos.

Até aqui, você deve ter percebido que existe algo em comum entre as ações e os tokens que representam participação em empresas.

Entenda a semelhança entre tokens e ações

Nos investimentos tradicionais de equity, uma pessoa pode possuir parte de um negócio ao investir em ações do mesmo. Possuir uma ação é prova de que você possui uma porcentagem da empresa que ela representa.

Mas por que é vantajoso para as empresas abrir mão de partes de seu equity?

O principal objetivo de uma empresas ao disponibilizar ações é arrecadar fundos. Dependendo do estágio do negócio, a oferta de ações pode acontecer por meio de corretoras, bolsa de valores ou IPO.

Como dissemos acima, ao investir em ações, você está se tornando dono da empresa. Isso não significa que você é diretamente dono dos objetos físicos ou materiais que fazem parte dela.

As ações são divididas em duas categorias dependendo do que oferecem:

  • Ação ordinária: oferecem aos investidores direito a voto e dividendos. No entanto, os acionistas ordinários são pagos depois dos acionistas preferenciais, credores e detentores de títulos. Geralmente, são aquelas terminadas em 3.
  • Ação preferencial: os investidores frequentemente não têm direito a voto, mas têm prioridade no recebimento de ganhos, dividendos e em caso de falência. Geralmente, são aquelas terminadas em 4.

A função básica das ações é a mesma dos tokens, eles são apenas uma invenção relativamente recente que foi possibilitada pela blockchain.

Sendo assim, os tokens também podem representar o equity de uma empresa e o direito sobre a mesma. Porém, quem possui um token não é considerado sócio, mas detentor.

E, assim como as ações, existem tokens para representar a participação de empresas de duas maneiras diferentes, tanto a possibilidade de remuneração quanto de tomada de decisão.

Agora que entendemos o que os tokens e as ações têm em comum, vamos entender definitivamente a diferença.

Entendendo a diferença entre Tokens e Ações

As principais diferenças entre tokens e ações estão no modo em que são negociadas, nos custos para o investidor, na presença de intermediários e no modo como são lançadas no mercado.

Veja a seguir de quais maneiras investir em ações e investir em tokens se diferenciam.

Onde são criadas

A primeira diferença entre tokens e ações é onde são criadas.

Os tokens são elaborados a partir da tecnologia blockchain, enquanto as ações não.

Devido ao uso da blockchain, é possível também associar os Smart Contracts que oferecem uma garantia jurídica ainda maior aos tokens.

Prova de propriedade

A prova de propriedade de ações geralmente é feita por meio de uma corretora ou diretamente no registro da empresa.

Com os tokens, no entanto, os próprios investidores podem guardar a propriedade, uma vez que é possível armazenar tokens em uma carteira pessoal do blockchain.

Venda

A diferença entre tokens e ações que mais chama a atenção é o modo como funciona a venda desses ativos.

Para vender ações, a negociação precisa ser intermediada por uma corretora e vendida em uma bolsa de valores.

Os tokens podem ser vendidos rapidamente em sistemas de negociação de Security Tokens regulamentados.

Além disso, diferentemente das ações, as negociações de tokens podem ocorrer 24 horas por dia, todos os dias da semana.

Registros

Diferentemente das ações, os tokens têm suas transações registradas em blockchain.

Essa rede armazena todas as informações mais importantes, como emissor, destinatário, valor e data. E ela é imutável, então, não pode ser fraudada.

Legislação

Atualmente, ainda existe certa indeterminação legal e regulatória em torno dos tokens, o que não é o caso das ações.

Isso acarreta em mais incertezas para os investidores, mas a regulamentação está avançando cada vez mais devido à popularização da tokenização em todo o mundo.

Por fim, a última diferença entre tokens e ações está relacionada com seus lançamentos, o que falaremos a seguir.

IPO e STO: a diferença entre tokens e ações no lançamento

O lançamento da oferta de um novo Security Token é chamado de STO (Security Token Offering) e cada país possui suas próprias regulamentações.

Se você participar do STO, poderá adquirir participação acionária na empresa. Em troca, você receberá uma quantidade definida de tokens.

O STO é parecido com o IPO (Initial Public Offering), no qual uma empresa oferece publicamente suas ações para serem adquiridas.

As empresas privadas já têm acionistas, principalmente fundadores, primeiros investidores e investidores venture, mas continuam sendo empresas privadas nesta fase (sem capital aberto).

O IPO é o modo de permitir que qualquer pessoa possa negociar e investir em ações da empresa.

principal diferença entre tokens e ações neste aspecto é o tamanho das operações e a praticidade de realizar a oferta pública.

Os STO, conhecido como (Security Token Offering / Oferta de Token Segura) permite que negócios/ empresas tenham a oportunidade de emitir seus próprios tokens, e distribui-los como se fossem “ações na bolsa” através de blockchain. Ainda que complicado viabilizar este tipo de oferta por conta dos orgãos reguladores (CVM) o STO é visto como o futuro da oportunidade de descentralização dos investimentos.

Mas isso não é tudo! Vamos falar abaixo sobre outras 3 vantagens do STO.

Agilidade

O STO permite que empresas tenham a oportunidade de obter tokens (que funcionam como ações) negociáveis em uma bolsa mais rapidamente.

Para uma empresa, ir da fase inicial até o ponto em que possa lançar um IPO de sucesso pode levar muito mais tempo.

Praticidade

Um STO oferece um caminho mais rápido para a negociação do equity de uma empresa.

Uma startup que faz um STO tem tokens que já podem ser negociados livremente.

Por outro lado, uma start-up regular sem um STO ou IPO tem ações que podem não ser tão fáceis de comprar e vender.

Democratização

Investir em ações de capital privado pela bolsa de valores pode exigir muito dinheiro para participar.

No caso de um STO, investir em tokens é mais acessível, pois pode ter um limite muito mais baixo.

Por que tokens e não o mercado financeiro atual?

Por que investir em tokens? Por que não manter seus investimentos no mercado financeiro tradicional? Por que optar por tokens e não ações?

Você já sabe o que é token de ativo, mas ainda está em dúvida se realmente faz sentido direcionar parte dos seus investimentos para esta modalidade.

Tudo bem, muitos investidores ainda estão tentando compreender como a tokenização de ativos está revolucionando o mercado financeiro. E aqueles que obtiverem as melhores informações, com certeza, vão conseguir sair na frente.

Por que investir em tokens ao invés de ações?

A tokenização de ativos oferece oportunidades de investimentos muito além daqueles possibilitados pela bolsa de valores.

Mas os tokens também podem representar o direito de participação de empresas, os tokens de equity. Nesse caso eles funcionam “como as ações”, e são security tokens, um dos 4 principais tipos de tokens.

As ações representam partes de uma organização ou empresa e servem para autenticar a propriedade parcial daqueles que as possuem. Desse modo, quem possui uma ação é também detentor de um percentual da empresa representada por ela.

O principal interesse das empresas ao disponibilizar ações para serem adquiridas em capital aberto é arrecadar fundos.

Mas, então, por que investir em tokens?

Os tokens podem operar exatamente como as ações, ou seja, representando a participação de empresas. Eles são apenas menos conhecidos por serem relativamente novos, uma evolução desenvolvida a partir da blockchain.

Tokens também representam a propriedade sobre uma fração de um negócio e têm seus valores atrelados à valorização daquilo que representam, assim como as ações.

Porém, existem alguns benefícios em investir em tokens no lugar de investir em ações. Vamos falar sobre eles a seguir.

Os diferenciais do investimento em tokens

Existem várias diferenças entre tokens e ações que demonstram por que investir em tokens pode ser muito vantajoso.

Confira algumas delas abaixo:

  • Estruturação: os tokens contam com as tecnologias da blockchain e do smart contract, que garantem segurança.
  • Autonomia: o investidor pode armazenar seus tokens por conta própria, sem depender de corretoras.
  • Venda: as negociações de tokens não dependem da bolsa de valores e podem ser realizadas a qualquer hora do dia em todos os dias da semana.
  • Antifraude: a tecnologia blockchain também garante o registro das informações de todas as transferências e não pode ser fraudada ou alterada.

Além de tudo isso, os tokens de equity são oferecidos publicamente para os investidores por meio de um STO (Security Token Offering), que são parecidos com os IPO (Initial Public Offering), mas apresentam suas próprias vantagens:

  • Agilidade na abertura de capital: empresas conseguem ter seus tokens negociados muito mais rapidamente do que levariam para fazer um IPO.
  • Praticidade de negociação: Por meio do STO, startups podem oferecer seus tokens muito mais facilmente.
  • Acesso para investidores menores: os valores dos tokens em STO costumam ser muito mais baratos do que aqueles na bolsa de valores.

Agora que já entendemos um pouco mais sobre os benefícios dos tokens em relação às ações, vamos nos aprofundar nas vantagens que a tokenização oferece como um todo.

Quais as vantagens da tokenização?

Se você ainda está se perguntando por que investir em tokens, saiba que participação de empresas é apenas um dos exemplos dos ativos que podem ser tokenizados.

Tokenização nada mais é do que transformar um ativo real em partes digitais para que possam ser negociados mais facilmente.

Isso significa que ao investir em tokens de ativos reais, você tem a possibilidade de gerar retornos a partir de ativos aos quais você nunca teria acesso pela bolsa de valores.

Além disso, há 5 características que demonstram como você pode tirar vantagens da tokenização:

  • Acesso: a tokenização facilita com que qualquer pessoa possa investir em ativos de alta performance e que a liquidez para os donos desses ativos seja muito maior.
  • Proteção: como dito anteriormente, a blockchain e os smart contracts corroboram com a segurança dos investimentos em tokens de ativos.
  • Transparência: todos os registros das negociações de tokens ficam salvos na blockchain e podem ser consultados pelos participantes a qualquer momento.
  •  Eficiência: por diminuir o número de intermediários no processo, a tokenização reduz os custos das operações e faz com que elas sejam mais ágeis e menos burocráticas.
  • Divisibilidade: os tokens são sempre pequenas frações dos ativos, isso permite que você invista em ativos incomuns até então e por valores baixos.

Devido aos diversos benefícios que a tokenização apresenta, existem diversos setores que já tokenizam.

Se até aqui você não se convenceu das vantagens da tokenização, vamos explicar um pouco mais sobre a segurança tecnológica e jurídica dos tokens.

Por que investir em tokens é seguro tecnologicamente?

Como você viu anteriormente, a tokenização é elaborada em tecnologias extremamente bem protegidas.

Agora, vamos descrever melhor cada uma das modalidades de segurança para você entender por que investir em tokens é algo seguro.

Blockchain

Para entender por que o investimento em tokens de ativos reais é seguro tecnologicamente, você só precisa conhecer uma palavra: blockchain!

A blockchain é também chamada de protocolo de confiança, porque é nela que ficam registradas todas as informações relacionadas às transações: emissores, destinatários, datas, quantidades de tokens, etc.

Regularmente, um bloco com informações é formado e datado. Esses blocos se acoplam formando uma corrente que indica quais transações já ocorreram e quando foram realizadas.

Tudo isso de maneira criptografada, ou seja, por meio de códigos complexos.

Esses dados só passam a formar estes blocos depois de serem validados e aprovados pelos participantes da transação.

O que torna a blockchain extremamente segura é o fato dos blocos serem interdependentes. Então, uma tentativa de alteração em qualquer um deles se torna impossível, pois seria necessário decodificar todos os outros blocos.

Dessa maneira, todos os dados relacionados aos tokens ficam registrados e protegidos por esta tecnologia, que é descentralizada (não ficam armazenadas em apenas um servidor).

Devido à blockchain, é praticamente nula a chance de qualquer invasão ou adulteração durante a tokenização de ativos.

Mas, caso isso não fosse o suficiente, investir em tokens fica ainda mais seguro a partir da tecnologia dos Smart Contracts.

Smart Contracts

Os Smart Contracts fazem o trabalho de um contrato tradicional, mas de forma otimizadamais barata e mais segura. São eles que definem as cláusulas dos direitos tokenizados.

Eles são elaborados durante a etapa de Emissão do processo de tokenização e carregam todas as regras previamente definidas no âmbito jurídico.

Os Smart Contracts também são imutáveis, assim como os dados da blockchain, e não há possibilidade de fraudes. Por serem pré-programados, eles são ativados de forma ágil e prática por meio de cliques.

Esses contratos digitais asseguram que as regras, que ficam sempre muito bem descritas e acessíveis para as partes interessadas na negociação, serão respeitadas.

Até aqui, você conseguiu entender um pouco mais sobre por que investir em tokens é seguro. Agora, vamos falar sobre os riscos associados ao investimento.

Quais são os principais riscos ao investir em tokens?

Investir em tokens carrega os mesmos riscos que qualquer outro tipo de investimento.

Na realidade, muitos tipos de tokens podem apresentar riscos mais baixos do que aqueles relacionados à bolsa de valores, mas vamos nos focar nos riscos de todos os tokens.

O primeiro principal risco para os investidores é o de mercado. Ele está associado às incertezas que podem gerar variações de valor no mercado, como as curvas de juros, taxas de câmbio e volatilidade.

Também entram no risco de mercado questões referentes às legislações e tributações dos países, principalmente quando se trata de mudanças nessas regras.

O segundo principal risco é o de crédito, que estão presentes nos tokens que representam dívidas e funcionam como antecipação de recebíveis. Neste caso, o risco é o não cumprimento do pagamento por parte do devedor.

Por fim, o terceiro principal risco é o de liquidez, mas, neste caso, ele costuma ser mais baixo do que em investimentos tradicionais, já que a tokenização facilita a liquidação dos ativos.

De qualquer forma, ainda é possível que você encontre dificuldades em vender seus tokens ou encontrar apenas compradores oferecendo valores abaixo da sua expectativa.

Como você pode perceber, todos os principais riscos de investir em tokens estão presente em outros tipos de investimentos, mas podem ser mitigados com algumas atitudes práticas, como:

  • Conhecer o direito que você está adquirindo
  • Fazer estratégias de longo prazo
  • Realizar pesquisas sobre o ativo e o emissor do token
  • Ler e entender os termos e condições

Para terminarmos, não é possível entender por que investir em tokens é uma boa ideia sem falar sobre a transformação que esta modalidade está gerando no mercado financeiro.

Por que o investimento em tokens muda o Mercado Financeiro?

Tendo em vista o cenário atual do mundo, que exige informações e operações cada vez mais velozes, é importante que o mercado financeiro se modernize e ofereça soluções mais seguras e mais ágeis para todos os processos.

Tudo isso pode ser realizado pela tokenização devido à blockchain.

Além disso, é fundamental que cada vez mais o acesso a investimentos seja democrático. E não apenas alguns, mas diferentes tipos de investimentos, incluindo aqueles que até então não chegavam aos pequenos investidores.

Essa é mais uma mudança que a tokenização oferece.

Também é necessário que exista proteção de dadostransparênciaredução de custos e agilidade nas transferências e operações.

Mais uma vez, esses são elementos que o investimento em tokens oferece ao facilitar processos como custódia, liquidação, compensação e com a redução de intermediários entre os investidores e os donos de ativos.

Mas a principal maneira como a tokenização mudará o mercado financeiro atual é no comportamento.

Afinal, a tokenização facilita com que os investidores possuam a custódia de seus ativos em forma de tokens e tenham maior controle sobre seus próprios capitais.

Os tokens já estão presentes no mercado e podem diversificar ainda mais a sua carteira de investimentos!

Não há porque abandonar a bolsa de valores, mas vale muito a pena expandir o seu acesso a ativos e oportunidades de retorno.

Como diversificar sua carteira de investimentos com tokens?

Os tokens são uma nova oportunidade de diversificação de investimentos, afinal, eles expandem as possibilidades de ativos com os quais você pode obter remunerações.

Mas não é só isso!

A melhor parte da tokenização é poder diversificar a sua carteira com diferentes tipos de tokens, que funcionam de modos completamente diversos.

Alguns ativos tokenizados propiciam investimentos mais conservadores e seguros, outros propiciam investimentos de alto risco, mas com chances de retornos mais altos.

O que é diversificar investimentos?

A diversificação de  investimentos é uma estratégia para mitigar riscos e restringir a exposição a eventuais prejuízos.

Quem já está mais acostumado com o universo da bolsa de valores e das criptomoedas conhece bem este conceito.

Diversificação de carteira significa alocar o seu dinheiro em diferentes tipos de investimentos tanto da renda fixa quanto da renda variável. Ao mesmo tempo em que você mantém uma reserva de emergência.

A ideia aqui é manter a mente aberta e não se focar apenas em alguns produtos específicos. Apostando em variedades, você tem mais chances de que quando determinado investimento estiver em queda, outro esteja em alta.

Para diversificar a sua carteira de investimentos, você precisa, então, organizar o seu dinheiro e aplicá-lo em ativos e setores variados.

E é necessário ter em mente que os ativos escolhidos estejam enquadrados em seu perfil de investidor e em seus objetivos.

Por que a diversificação de investimentos é importante?

Um dos motivos para diversificar sua carteira é não perder o contato com outros tipos de investimentos que podem crescer e apresentar rentabilidades vantajosas para você.

Não adianta nada ser um grande especialista em apenas um aspecto do mercado financeiro e fechar os olhos tanto para outras oportunidades que já existem quanto para novos modelos que podem surgir.

Outra razão para diversificar é evitar o risco da ruína, que significa perder tudo.

Se todo o seu dinheiro está alocado no mesmo ativo, no mesmo setor ou na mesma modalidade de investimento, você está mais apto a sofrer grandes impactos caso ocorra algum imprevisto.

A diversificação de investimentos permite que você tenha mais flexibilidade para movimentar o seu dinheiro entre ativos e aproveite os melhores momentos.

É exatamente a partir desta premissa que você pode usar tokens para diversificar investimentos.

Como os tokens ajudam na diversificação de investimentos?

Os tokens são uma oportunidade recente para diversificar seus investimentos.

Eles abrem um novo portfólio para se somar aos da bolsa de valores e ao das criptomoedas. Sendo assim, investir em tokens não é o mesmo que investir em outros criptoativos.

A tokenização abre possibilidades inéditas de diversificação, o que já é um ótimo motivo do por que investir em tokens.

E isso acontece por dois motivos principais.

Custos reduzidos e maior acesso a ativos

O primeiro deles é a chance de acessar ativos tradicionais, como participação de empresas ou títulos de dívidas, distribuídos de maneira mais eficiente.

Isso faz com que os mesmos ativos aos quais você já está acostumado possam se tornar mais rentáveis, pois muitas vezes incluem menos intermediários e menos custos que poderiam reduzir o retorno do investimento.

Aqui, a diversificação com tokens segue os mesmos preceitos de outras modalidades do mercado financeiro, porém com as vantagens da tokenização.

Acesso a ativos inovadores

O segundo motivo é o fato de que os tokens possibilitam o acesso a ativos que até então não eram passíveis de investimentos e que geram remunerações de maneiras muito diferentes.

Entre estes ativos tokenizados inovadores, podemos citar direitos sobre atletas ou artistas, projetos imobiliários, obras de arte, recebíveis, participação de empresas pequenas e muito mais.

Dessa forma, a diversificação de investimentos pode ficar ainda mais plural.

Isso porque ela passa a envolver uma variedade de ativos que antes não eram acessíveis e que podem mitigar riscos por oferecerem retornos não associados a outros produtos financeiros tradicionais.

Como fazer a diversificação de investimentos com tokens?

Para diversificar investimentos com tokens, você deve seguir algumas das mesmas estratégias que as outras modalidades utilizam.

Isso quer dizer que você pode incluir em sua carteira tokens:

  • de ativos diferentes;
  • de setores econômicos variados;
  • cujas remunerações operam de modos distintos;
  • que equilibrem riscos mais baixos e riscos mais altos;
  • que remuneram a partir de moedas com valorizações díspares.

Isso pode ser realizado na prática de maneira muito simples.

Você pode começar adquirindo tokens de mecanismo de solidariedade, por exemplo. Então, pode optar por tokens de recebíveis que apresentem riscos mais baixos, depois, escolher tokens de participação de empresa e assim por diante.

Você pode montar a sua carteira aos poucos, então, não há motivo para ansiedade.

A diversificação de seus investimentos em tokens vai depender tanto dos seus objetivos quanto do próprio mercado e das ofertas às quais você tiver acesso.

Lembre-se também de diversificar dentro dos tipos de tokens, ou seja, tente comprar tokens de mais de uma empresa ou startup, mais de um clube de futebol e mais de um recebível.

Por fim, vale repetir: uma carteira diversificada de investimentos se constrói com o tempo! O mais importante é conhecer a estratégia e ir aplicando-a sempre que possível.

Como obter as informações de um token na Blockchain?

Para responder essa pergunta, primeiramente precisamos explicar brevemente sobre o conceito das wallets. Elas permitem a realização de transações, monitoramento e armazenamento de tokens.

Entretanto, as wallets serviram apenas como uma interface de controle e acesso dos seus criptoativos. Todos os registros (as datas das transações, quem são os detentores dos tokens, a quantidade que cada um possui) ficam registradas na Blockchain.

Para que você possa interagir com um token na Blockchain, é necessário que tenha a chave necessária para isso. E é aí que entram as wallets.

As wallets se comunicam com a Blockchain e gerenciam os pares de chaves públicas/privadas relacionadas ao endereço dela. E apenas a pessoa que possui a chave privada pode acessar os tokens.

Se o token representar um ativo, o proprietário pode iniciar a transferência dos tokens assinando com sua chave privada, que, por sua vez, gera uma impressão digital ou assinatura digital.

Caso o token represente um direito de acesso a algo que outra pessoa possui, o proprietário desse token pode iniciar o acesso assinando com sua chave privada, criando assim, uma impressão digital.

Mas, se o token representar uma votação, o proprietário desse token pode votar assinando com sua chave privada, criando uma assinatura digital.

E essa não é a única forma de encontrar informações sobre um token na blockchain!

Cada token também possui um endereço na blockchain na qual foi emitido. E você pode acessar esse endereço para ter acesso às informações, incluindo aquelas que estão presentes no Smart Contract.

É simples assim! Basta você acessar a sua wallet ou o endereço do token na blockchain que você pode ler todas as informações relacionadas.

Afinal, é seguro?

Entenda que um fato importante sobre a Blockchain é que ela é totalmente descentralizada. Isso significa que ela não conta com um servidor central de armazenamento de dados, mas, sim, vários servidores conectados entre si.

Eles utilizam a computação em nuvem para processar, reunir e armazenar todos os blocos de dados e estão espalhados por todo o mundo. Com essa descentralização, há uma maior proteção para tudo o que está contido na Blockchain e as invasões aos dados se tornam mais difíceis.

Investir em tokens pela Blockchain é seguro, uma vez que os dados não podem ser alterados. Além disso, por conta do processamento, organização e armazenamento descentralizado deles, você evitará dores de cabeça envolvendo o roubo de informações.

Para garantir que todas as transações sejam devidamente cumpridas pelas partes acordadas, a Blockchain ainda conta com a tecnologia dos Smart Contracts.

O que é e como funciona a Blockchain?

Você sabia que foi a partir do bitcoin, em 2008, que a tecnologia da Blockchain foi executada pela primeira vez? Por conta desse evento, o ano ficou marcado como o do surgimento dela.

Mas é importante ressaltar que a Blockchain não é apenas uma única tecnologia feita para resolver todos os problemas relacionados ao mercado. Ela incorpora diversas tecnologias e estudos voltados para as mais diversas áreas, como, por exemplo:

  • criptografia de chaves;
  • hashing numbers;
  • autenticações;
  • entre muitas outras!

Podemos dizer que a Blockchain funciona como um livro contábil. É nela que estarão concentradas todas as informações relacionadas às transações realizadas, como, por exemplo, a quantia de tokens transacionados, quem os enviou e recebeu, a data das transações e muito mais!

As informações ficam armazenadas em blocos que possuem data e hora e, de tempos em tempos, blocos novos são formados e se unem aos que já existem. Por isso o nome, que, traduzido para o português, significa “cadeia de blocos”. E essa cadeia é imutável!

Antes de serem inseridas na cadeia, todas as informações são validadas e precisam, obrigatoriamente, ser aprovadas. Assim que o processo é completado, elas ganham um código formado por letras e números que será a nova “identidade” de cada uma das informações.

Assim, podemos concluir facilmente que uma das principais importâncias da Blockchain é manter registradas todas as transações e garantir a segurança dos dados presentes nelas.

Quais são os principais riscos ao investir em tokens?

Precisamos falar sobre os riscos de investimentos em tokens! Como a tokenização é um tema recente no Brasil, ainda existem muitas dúvidas a respeito do tema.

Para explicar da melhor maneira possível, vamos falar aqui sobre os 3 principais tipos de riscos que ficam na cabeça de quem quer investir em tokens:

  • Risco Tecnológico
  • Risco Jurídico
  • Riscos de Ativos

Além disso, vamos indicar alguns processos que você mesmo pode fazer antes de investir para mitigar os riscos na seção: cuidados ao investir em um token.

Para adiantar o assunto, vale a pena ressaltar que quase não há riscos no âmbito tecnológico e jurídico, o que vamos desenvolver mais para a frente.

Do ponto de vista dos ativos, os riscos são os mesmos de qualquer outro tipo de investimento.

Fique com a gente, que explicaremos tudo!

Vamos lá?

Risco de investimentos em token: Tecnológico

Quando falamos dos riscos tecnológicos nos investimentos em tokens, uma palavra é fundamental: blockchain, também conhecida como “protocolo de confiança”.

A função da blockchain é atuar como um livro de registro de todos os dados fundamentais para as transações, como emissor, destinatário, data e quantidade de tokens enviados ou recebidos.

Esses dados ficam registrados em um bloco com data e hora. Constantemente, um novo bloco é acoplado ao anterior, guardando as novas informações e montando essa “cadeia de blocos”.

Todos os dados são validados e, obrigatoriamente, aprovados antes de serem incluídos na blockchain. E, quando passam a fazer parte da cadeia, eles são codificados complexamente por letras e números.

Todos os blocos são interdependentes. Dessa forma, se alguém tentasse invadir o sistema, seria obrigado a desvendar todos os incontáveis códigos presentes na cadeia.

A principal função da blockchain é assegurar a proteção e o registro dos dados, o que traz segurança para o investimento em tokens de ativos e para outros setores que tokenizam.

Por isso, a rede é descentralizada, não há um servidor central, mas diversos servidores interconectados. Essa propriedade dificulta ainda mais qualquer possibilidade de ataque.

Na parte tecnológica, os riscos de investimentos em tokens são praticamente nulos. E, para somar a isso, a blockchain ainda pode dispor dos Smart Contracts para que todas as cláusulas sejam seguidas.

Então, chegamos à questão jurídica.

Risco de investimentos em token: Jurídico

No âmbito jurídico, os Smart Contracts são um dos cuidados ao investir em tokens que os emissores ou a empresa tokenizadora elaboram para a segurança das negociações.

Os Smart Contracts operam da mesma maneira que um contrato físico: regulamentam as obrigações e os benefícios para todas as partes. Além de eventuais penalidades que possam se abater em caso de quebras de contrato.

Esses contratos inteligentes também incorporam certos termos que foram pré-programados na blockchain, tornando praticamente automática a validação, que acontece por meio de cliques.

Além disso, eles são imutáveis, ou seja, não podem ser fraudados. E todas as cláusulas devem ser explícitas para que não ocorra divergência de interpretações.

Na perspectiva jurídica, os Smart Contracts mitigam a maior parte dos riscos de investimentos em tokens.

Então, não há risco algum para esse tipo de investimento?

Não é bem assim, as principais incertezas têm a ver com os ativos, como veremos a seguir.

Riscos de investimentos em tokens: Ativos

Os principais riscos para os tokens são os mesmos de qualquer investimento.

Isso quer dizer que o investidor está sujeito, de maneira geral, a riscos de mercadode crédito e de liquidez.

Vamos explorar esse assunto mais a fundo.

Riscos de mercado

Um dos principais riscos de investimentos em tokens é derivado do próprio mercado.

Afinal, existem diferentes aspectos que podem gerar incertezas dependendo do seu tipo de token.

Alguns elementos que estabelecem riscos de mercado são:

  • curvas de juros
  • oscilações de commodities
  • volatilidade
  • taxas de câmbio

Além disso, existem questões externas que também integram o risco de mercado, como mudanças nas regulamentações ou tributações dos países.

Entender esses riscos é ainda mais importante para os investidores interessados em security tokens ou que realizam investimentos de alto risco.

Riscos de Crédito

Como existem os tokens de dívidas e antecipação de recebíveis, um dos riscos de investimentos em tokens é o de crédito.

Ele basicamente se resume à possibilidade de que a parte que deve realizar o pagamento não cumpra com suas obrigações.

Tanto os casos de não pagamento quanto os casos de atrasos recorrentes no pagamento são chamados de inadimplência.

Riscos de Liquidez

Uma das vantagens da tokenização é oferecer maior liquidez para ativos que costumavam ser mais difíceis de negociar. Porém, o risco de liquidez ainda é uma possibilidade nos investimentos em tokens.

Liquidez é transformar um ativo em dinheiro, geralmente a partir da venda do mesmo.

Sendo assim, o risco é não conseguir vender seus tokens, seja pela ausência de compradores ou pelo tempo de duração pré-determinado dele.

Também há a possibilidade de haver compradores, mas apenas dispostos a pagar valores muito baixos. Este também é um exemplo de risco de liquidez.

Cuidados ao investir em um token

Nos investimentos em tokens, quase não há riscos em relação à segurança jurídica ou às informações digitalizadas. Todos esses processos contam com proteções excepcionais.

Fora eles, como em qualquer tipo de investimento, não existe uma fórmula mágica para evitar os riscos. Até porque, quanto mais alto o risco, provavelmente maior será o retorno.

Porém, existem certas atitudes que você pode tomar para mitigar esses riscos.

Conheça o direito adquirido

Todo token representa o direito sobre determinado ativo.

Portanto, sempre que for investir em tokens, faça questão de saber qual direito você está adquirindo.

Pense em longo prazo

Sempre tenha em mente que investimentos são operações a longo prazo.

Quando estiver escolhendo um token para investir, pense se ele pode gerar rentabilidades futuras e se tende a ser valorizado.

Pesquise por conta própria

As melhores tokenizadoras fazem uma pré-seleção de ativos que se tornam ofertas em suas plataformas, levando em conta seus potenciais de lucratividade.

Mesmo assim, é fundamental que você saiba quais tokens fazem sentido com o seu perfil de investidor.

Além disso, é importante fazer uma pesquisa sobre a empresa dona do ativo tokenizado e sobre as características e os riscos próprios ao mercado do qual ela faz parte.

Com a Transformação Digital que ocorreu e segue ocorrendo ao longo dos anos, é inegável que surgiram novas formas de realizar negócios. Entre as ferramentas fundamentais para que eles sejam realizados, não podemos deixar de destacar os criptoativos.

Preparamos este artigo com tudo o que você precisa saber sobre criptoativos e por que o potencial deles cresce cada vez mais.

Boa leitura!

O que são os criptoativos?

Podemos entender como criptoativos os ativos virtuais que são protegidos pela criptografia. Eles estão presentes exclusivamente em registros digitais e todas as operações envolvendo criptoativos são realizadas e armazenadas em uma rede de computadores.

Os criptoativos surgiram para facilitar as transações financeiras eletrônicas ou pagamentos entre indivíduos ou empresas. Assim, não é necessária a intermediação de instituições financeiras, o que traz muito mais agilidade para os processos.

Como funcionam os criptoativos?

O funcionamento dos criptoativos se baseia na tecnologia conhecida como Blockchain. Ela funciona como um livro contábil e concentra todas as informações relacionadas às transações realizadas.

Todas essas informações são armazenadas dentro de um bloco, que possui um registro de hora e data. De tempos em tempos, um novo bloco é formado e acoplado a um bloco anterior.

Dessa forma, é criada uma “cadeia de blocos” (por isso o nome Blockchain) imutável, ou seja, que em hipótese alguma será alterada. Caso uma simples vírgula fosse alterada no primeiro bloco, todos os outros milhares de blocos teriam que ser alterados também.

Antes de serem inseridas, de fato, na Blockchain, todas as informações sobre os criptoativos são validadas e precisam, obrigatoriamente, ser aprovadas. Quando isso acontece, elas passam a ser identificadas por um código alfanumérico.

A Blockchain possui uma grande importância nas transações de criptoativos, uma vez que é ela que deixará tudo registrado e garantirá a segurança de todos os dados.Isso porque os blocos são dependentes uns dos outros e cada informação possui uma codificação específica.

Quem possui o código alfanumérico se torna o proprietário dos criptoativos. Esses ativos podem ser negociados através de Exchanges ou bilateralmente, sem intermediações.

Como operar criptoativos?

Para que você possa operar criptoativos, é necessário possuir uma wallet, que conta com uma chave pública e uma chave privada. A pública serve para publicar suas transações na rede, enquanto a privada se faz necessária no momento de acessar a wallet e operar com ela.

É importante ressaltar que os criptoativos não residem em registros digitais de nenhuma instituição financeira.

Existem, atualmente, centenas de criptoativos, como por exemplo as criptomoedas, os tokens, as stablecoins e outros. Cada um tem as suas próprias regras de funcionamento, que são elaboradas pelos criadores e desenvolvedores dos criptoativos.

No que as criptomoedas e os tokens se diferem?

As criptomoedas são ativos nativos de uma rede Blockchain que podem ser utilizados como um meio para transações e para armazenamento de valor. Elas são descentralizadas, ou seja, são emitidas diretamente pelo protocolo Blockchain em que são executadas, não por bancos ou governos específicos.

Em muitos casos, as criptomoedas não são usadas apenas para pagar taxas de transação na rede, mas também para incentivar os usuários a manter a rede da criptomoeda segura.

Os tokens, por sua vez, são basicamente unidades de valor que organizações ou projetos baseados em Blockchain desenvolvem em cima de redes blockchain existentes. Embora muitas vezes compartilhem compatibilidade profunda com as criptomoedas dessa rede, eles são uma classe de criptoativos totalmente diferente.

A diferença entre criptomoedas e tokens é que as criptomoedas são o ativo nativo de um protocolo de Blockchain específico, enquanto os tokens são criados por plataformas que se baseiam nessas Blockchains.

Sendo tokens ou criptomoedas, é inegável o impacto que os criptoativos tiveram e têm até hoje, na forma como as pessoas realizam transações. É só olhar a evolução nas formas como os negócios eram feitos, primeiro por trocas, depois utilizando moedas, notas de papel, cartões de crédito e débito, internet banking e chegando onde estamos atualmente.

Qual é a diferença entre Tokens e Ações?

Afinal, qual é a diferença entre tokens e ações?

Agora que investir em tokens está se tornando mais comum no Brasil, muitas pessoas ainda não entendem como ele se difere do investimento em ações.

Preparamos este artigo completo para que você saiba:

  • O que são tokens e ações
  • Equity: a semelhança entre tokens e ações
  • As principais diferenças entre tokens e ações
  • Diferença no lançamento: IPO vs STO

Vamos lá?

Qual a diferença entre Tokens e Ações?

Antes de começarmos a falar sobre a diferença entre ações e tokens, é importante ressaltar que existem 4 principais tipos de tokens.

Aqui, vamos nos focar sobretudo nos Security Tokens, que representam o direito de participação de empresas, possuem regulamentação bem definida e são os que mais se aproximam das ações.

Também é importante sempre acompanhar as atualizações acerca dos STOs que serão discutidos mais para a frente, já que suas regras podem ser modificadas com o tempo ou dependendo da região.

Dito tudo isso, vamos começar pela definição dos conceitos.

O que são tokens?

Tokens são criados em blockchains já existentes e podem representar diferentes ativos, desde empreendimentos imobiliários até obras de artes digitais. Eles são negociados com facilidade a partir da tecnologia dos Smart Contracts.

Como os tokens são capazes de representar qualquer ativo, eles podem ser usados como ativos digitais, cotas de uma empresa ou acesso a certos projetos.

Os Security Tokens são aqueles que o valor está atrelado a um ativo que pode ser negociado e ter alterações em seu próprio valor. Por isso, frequentemente são comparados às ações.

O que são ações?

Ações são frações de uma empresa ou organização que são distribuídas entre os donos para representar suas posses. Dessa forma, somando todas as ações, você encontra o valor da empresa que elas representam.

Muitas empresas são definidas como de “capital aberto”, o que significa que elas distribuíram suas ações para serem negociadas na bolsa de valores.

Se o valor dessas partes aumenta, todos os donos têm suas ações valorizadas e, em certos casos, podem receber dividendos.

Até aqui, você deve ter percebido que existe algo em comum entre as ações e os tokens que representam participação em empresas.

Vamos falar um pouco mais sobre isso.

Equity: a semelhança entre tokens e ações

Nos investimentos tradicionais de equity, uma pessoa pode possuir parte de um negócio ao investir em ações do mesmo. Possuir uma ação é prova de que você possui uma porcentagem da empresa que ela representa.

Mas por que é vantajoso para as empresas abrir mão de partes de seu equity?

O principal objetivo de uma empresas ao disponibilizar ações é arrecadar fundos. Dependendo do estágio do negócio, a oferta de ações pode acontecer por meio de corretoras, bolsa de valores ou IPO.

Como dissemos acima, ao investir em ações, você está se tornando dono da empresa. Isso não significa que você é diretamente dono dos objetos físicos ou materiais que fazem parte dela.

As ações são divididas em duas categorias dependendo do que oferecem:

  • Ação ordinária: oferecem aos investidores direito a voto e dividendos. No entanto, os acionistas ordinários são pagos depois dos acionistas preferenciais, credores e detentores de títulos. Geralmente, são aquelas terminadas em 3.
  • Ação preferencial: os investidores frequentemente não têm direito a voto, mas têm prioridade no recebimento de ganhos, dividendos e em caso de falência. Geralmente, são aquelas terminadas em 4.

A função básica das ações é a mesma dos tokens, eles são apenas uma invenção relativamente recente que foi possibilitada pela blockchain.

Sendo assim, os tokens também podem representar o equity de uma empresa e o direito sobre a mesma. Porém, quem possui um token não é considerado sócio, mas detentor.

E, assim como as ações, existem tokens para representar a participação de empresas de duas maneiras diferentes, tanto a possibilidade de remuneração quanto de tomada de decisão.

Agora que entendemos o que os tokens e as ações têm em comum, vamos entender definitivamente a diferença.

Entendendo a diferença entre Tokens e Ações

As principais diferenças entre tokens e ações estão no modo em que são negociadas, nos custos para o investidor, na presença de intermediários e no modo como são lançadas no mercado.

Veja a seguir de quais maneiras investir em ações e investir em tokens se diferenciam.

Onde são criadas

A primeira diferença entre tokens e ações é onde são criadas.

Os tokens são elaborados a partir da tecnologia blockchain, enquanto as ações não.

Devido ao uso da blockchain, é possível também associar os Smart Contracts que oferecem uma garantia jurídica ainda maior aos tokens.

Prova de propriedade

A prova de propriedade de ações geralmente é feita por meio de uma corretora ou diretamente no registro da empresa.

Com os tokens, no entanto, os próprios investidores podem guardar a propriedade, uma vez que é possível armazenar tokens em uma carteira pessoal do blockchain.

Venda

A diferença entre tokens e ações que mais chama a atenção é o modo como funciona a venda desses ativos.

Para vender ações, a negociação precisa ser intermediada por uma corretora e vendida em uma bolsa de valores.

Os tokens podem ser vendidos rapidamente em sistemas de negociação de Security Tokens regulamentados.

Além disso, diferentemente das ações, as negociações de tokens podem ocorrer 24 horas por dia, todos os dias da semana.

Registros

Diferentemente das ações, os tokens têm suas transações registradas em blockchain.

Essa rede armazena todas as informações mais importantes, como emissor, destinatário, valor e data. E ela é imutável, então, não pode ser fraudada.

Legislação

Atualmente, ainda existe certa indeterminação legal e regulatória em torno dos tokens, o que não é o caso das ações.

Isso acarreta em mais incertezas para os investidores, mas a regulamentação está avançando cada vez mais devido à popularização da tokenização em todo o mundo.

Por fim, a última diferença entre tokens e ações está relacionada com seus lançamentos, o que falaremos a seguir.

IPO e STO: a diferença entre tokens e ações no lançamento

O lançamento da oferta de um novo Security Token é chamado de STO (Security Token Offering) e cada país possui suas próprias regulamentações.

Se você participar do STO, poderá adquirir participação acionária na empresa. Em troca, você receberá uma quantidade definida de tokens.

O STO é parecido com o IPO (Initial Public Offering), no qual uma empresa oferece publicamente suas ações para serem adquiridas.

As empresas privadas já têm acionistas, principalmente fundadores, primeiros investidores e investidores venture, mas continuam sendo empresas privadas nesta fase (sem capital aberto).

O IPO é o modo de permitir que qualquer pessoa possa negociar e investir em ações da empresa.

principal diferença entre tokens e ações neste aspecto é o tamanho das operações e a praticidade de realizar a oferta pública.

Os STO, conhecido como (Security Token Offering / Oferta de Token Segura) permite que negócios/ empresas tenham a oportunidade de emitir seus próprios tokens, e distribui-los como se fossem “ações na bolsa” através de blockchain. Ainda que complicado viabilizar este tipo de oferta por conta dos orgãos reguladores (CVM) o STO é visto como o futuro da oportunidade de descentralização dos investimentos.

 

Mas isso não é tudo! Vamos falar abaixo sobre outras 3 vantagens do STO.

Agilidade

O STO permite que empresas tenham a oportunidade de obter tokens (que funcionam como ações) negociáveis em uma bolsa mais rapidamente.

Para uma empresa, ir da fase inicial até o ponto em que possa lançar um IPO de sucesso pode levar muito mais tempo.

Praticidade

Um STO oferece um caminho mais rápido para a negociação do equity de uma empresa.

Uma startup que faz um STO tem tokens que já podem ser negociados livremente.

Por outro lado, uma start-up regular sem um STO ou IPO tem ações que podem não ser tão fáceis de comprar e vender.

Democratização

Investir em ações de capital privado pela bolsa de valores pode exigir muito dinheiro para participar.

No caso de um STO, investir em tokens é mais acessível, pois pode ter um limite muito mais baixo.

Por que tokens e não o mercado financeiro atual?

Por que investir em tokens? Por que não manter seus investimentos no mercado financeiro tradicional? Por que optar por tokens e não ações?

Você já sabe o que é token de ativo, mas ainda está em dúvida se realmente faz sentido direcionar parte dos seus investimentos para esta modalidade.

Tudo bem, muitos investidores ainda estão tentando compreender como a tokenização de ativos está revolucionando o mercado financeiro. E aqueles que obtiverem as melhores informações, com certeza, vão conseguir sair na frente.

Por isso, decidimos apresentar um texto que soluciona de uma vez por todas a pergunta de por que investir em tokens e não no mercado financeiro tradicional.

Vamos lá?

Por que investir em tokens ao invés de ações?

A tokenização de ativos oferece oportunidades de investimentos muito além daqueles possibilitados pela bolsa de valores.

Mas os tokens também podem representar o direito de participação de empresas, os tokens de equity. Nesse caso eles funcionam “como as ações”, e são security tokens, um dos 4 principais tipos de tokens.

As ações representam partes de uma organização ou empresa e servem para autenticar a propriedade parcial daqueles que as possuem. Desse modo, quem possui uma ação é também detentor de um percentual da empresa representada por ela.

O principal interesse das empresas ao disponibilizar ações para serem adquiridas em capital aberto é arrecadar fundos.

Mas, então, por que investir em tokens?

Os tokens podem operar exatamente como as ações, ou seja, representando a participação de empresas. Eles são apenas menos conhecidos por serem relativamente novos, uma evolução desenvolvida a partir da blockchain.

Tokens também representam a propriedade sobre uma fração de um negócio e têm seus valores atrelados à valorização daquilo que representam, assim como as ações.

Porém, existem alguns benefícios em investir em tokens no lugar de investir em ações. Vamos falar sobre eles a seguir.

Os diferenciais do investimento em tokens

Existem várias diferenças entre tokens e ações que demonstram por que investir em tokens pode ser muito vantajoso.

Confira algumas delas abaixo:

  • Estruturação: os tokens contam com as tecnologias da blockchain e do smart contract, que garantem segurança.
  • Autonomia: o investidor pode armazenar seus tokens por conta própria, sem depender de corretoras.
  • Venda: as negociações de tokens não dependem da bolsa de valores e podem ser realizadas a qualquer hora do dia em todos os dias da semana.
  • Antifraude: a tecnologia blockchain também garante o registro das informações de todas as transferências e não pode ser fraudada ou alterada.

Além de tudo isso, os tokens de equity são oferecidos publicamente para os investidores por meio de um STO (Security Token Offering), que são parecidos com os IPO (Initial Public Offering), mas apresentam suas próprias vantagens:

  • Agilidade na abertura de capital: empresas conseguem ter seus tokens negociados muito mais rapidamente do que levariam para fazer um IPO.
  • Praticidade de negociação: Por meio do STO, startups podem oferecer seus tokens muito mais facilmente.
  • Acesso para investidores menores: os valores dos tokens em STO costumam ser muito mais baratos do que aqueles na bolsa de valores.

Agora que já entendemos um pouco mais sobre os benefícios dos tokens em relação às ações, vamos nos aprofundar nas vantagens que a tokenização oferece como um todo.

Quais as vantagens da tokenização?

Se você ainda está se perguntando por que investir em tokens, saiba que participação de empresa é apenas um dos exemplos dos ativos que podem ser tokenizados.

Tokenização nada mais é do que transformar um ativo real em partes digitais para que possam ser negociados mais facilmente.

Isso significa que ao investir em tokens de ativos reais, você tem a possibilidade de gerar retornos a partir de ativos aos quais você nunca teria acesso pela bolsa de valores.

Além disso, há 5 características que demonstram como você pode tirar vantagens da tokenização:

  • Acesso: a tokenização facilita com que qualquer pessoa possa investir em ativos de alta performance e que a liquidez para os donos desses ativos seja muito maior.
  • Proteção: como dito anteriormente, a blockchain e os smart contracts corroboram com a segurança dos investimentos em tokens de ativos.
  • Transparência: todos os registros das negociações de tokens ficam salvos na blockchain e podem ser consultados pelos participantes a qualquer momento.
  •  Eficiência: por diminuir o número de intermediários no processo, a tokenização reduz os custos das operações e faz com que elas sejam mais ágeis e menos burocráticas.
  • Divisibilidade: os tokens são sempre pequenas frações dos ativos, isso permite que você invista em ativos incomuns até então e por valores baixos.

Devido aos diversos benefícios que a tokenização apresenta, existem diversos setores que já tokenizam.

Se até aqui você não se convenceu das vantagens da tokenização, vamos explicar um pouco mais sobre a segurança tecnológica e jurídica dos tokens.

Por que investir em tokens é seguro tecnologicamente?

Como você viu anteriormente, a tokenização é elaborada em tecnologias extremamente bem protegidas.

Agora, vamos descrever melhor cada uma das modalidades de segurança para você entender por que investir em tokens é algo seguro.

Blockchain

Para entender por que o investimento em tokens de ativos reais é seguro tecnologicamente, você só precisa conhecer uma palavra: blockchain!

A blockchain é também chamada de protocolo de confiança, porque é nela que ficam registradas todas as informações relacionadas às transações: emissores, destinatários, datas, quantidades de tokens, etc.

Regularmente, um bloco com informações é formado e datado. Esses blocos se acoplam formando uma corrente que indica quais transações já ocorreram e quando foram realizadas.

Tudo isso de maneira criptografada, ou seja, por meio de códigos complexos.

Esses dados só passam a formar estes blocos depois de serem validados e aprovados pelos participantes da transação.

O que torna a blockchain extremamente segura é o fato dos blocos serem interdependentes. Então, uma tentativa de alteração em qualquer um deles se torna impossível, pois seria necessário decodificar todos os outros blocos.

Dessa maneira, todos os dados relacionados aos tokens ficam registrados e protegidos por esta tecnologia, que é descentralizada (não ficam armazenadas em apenas um servidor).

Devido à blockchain, é praticamente nula a chance de qualquer invasão ou adulteração durante a tokenização de ativos.

Mas, caso isso não fosse o suficiente, investir em tokens fica ainda mais seguro a partir da tecnologia dos Smart Contracts.

Smart Contracts

Os Smart Contracts fazem o trabalho de um contrato tradicional, mas de forma otimizadamais barata e mais segura. São eles que definem as cláusulas dos direitos tokenizados.

Eles são elaborados durante a etapa de Emissão do processo de tokenização e carregam todas as regras previamente definidas no âmbito jurídico.

Os Smart Contracts também são imutáveis, assim como os dados da blockchain, e não há possibilidade de fraudes. Por serem pré-programados, eles são ativados de forma ágil e prática por meio de cliques.

Esses contratos digitais asseguram que as regras, que ficam sempre muito bem descritas e acessíveis para as partes interessadas na negociação, serão respeitadas.

Até aqui, você conseguiu entender um pouco mais sobre por que investir em tokens é seguro. Agora, vamos falar sobre os riscos associados ao investimento.

Quais são os principais riscos ao investir em tokens?

Investir em tokens carrega os mesmos riscos que qualquer outro tipo de investimento.

Na realidade, muitos tipos de tokens podem apresentar riscos mais baixos do que aqueles relacionados à bolsa de valores, mas vamos nos focar nos riscos de todos os tokens.

O primeiro principal risco para os investidores é o de mercado. Ele está associado às incertezas que podem gerar variações de valor no mercado, como as curvas de juros, taxas de câmbio e volatilidade.

Também entram no risco de mercado questões referentes às legislações e tributações dos países, principalmente quando se trata de mudanças nessas regras.

O segundo principal risco é o de crédito, que estão presentes nos tokens que representam dívidas e funcionam como antecipação de recebíveis. Neste caso, o risco é o não cumprimento do pagamento por parte do devedor.

Por fim, o terceiro principal risco é o de liquidez, mas, neste caso, ele costuma ser mais baixo do que em investimentos tradicionais, já que a tokenização facilita a liquidação dos ativos.

De qualquer forma, ainda é possível que você encontre dificuldades em vender seus tokens ou encontrar apenas compradores oferecendo valores abaixo da sua expectativa.

Como você pode perceber, todos os principais riscos de investir em tokens estão presente em outros tipos de investimentos, mas podem ser mitigados com algumas atitudes práticas, como:

  • Conhecer o direito que você está adquirindo
  • Fazer estratégias de longo prazo
  • Realizar pesquisas sobre o ativo e o emissor do token
  • Ler e entender os termos e condições

Para terminarmos, não é possível entender por que investir em tokens é uma boa ideia sem falar sobre a transformação que esta modalidade está gerando no mercado financeiro.

Por que o investimento em tokens muda o Mercado Financeiro?

Tendo em vista o cenário atual do mundo, que exige informações e operações cada vez mais velozes, é importante que o mercado financeiro se modernize e ofereça soluções mais seguras e mais ágeis para todos os processos.

Tudo isso pode ser realizado pela tokenização devido à blockchain.

Além disso, é fundamental que cada vez mais o acesso a investimentos seja democrático. E não apenas alguns, mas diferentes tipos de investimentos, incluindo aqueles que até então não chegavam aos pequenos investidores.

Essa é mais uma mudança que a tokenização oferece.

Também é necessário que exista proteção de dadostransparênciaredução de custos e agilidade nas transferências e operações.

Mais uma vez, esses são elementos que o investimento em tokens oferece ao facilitar processos como custódia, liquidação, compensação e com a redução de intermediários entre os investidores e os donos de ativos.

Mas a principal maneira como a tokenização mudará o mercado financeiro atual é no comportamento.

Afinal, a tokenização facilita com que os investidores possuam a custódia de seus ativos em forma de tokens e tenham maior controle sobre seus próprios capitais.

Os tokens já estão presentes no mercado e podem diversificar ainda mais a sua carteira de investimentos!

Não há porque abandonar a bolsa de valores, mas vale muito a pena expandir o seu acesso a ativos e oportunidades de retorno.

 

 

 

 

 

Como diversificar sua carteira de investimentos com tokens?

Os tokens são uma nova oportunidade de diversificação de investimentos, afinal, eles expandem as possibilidades de ativos com os quais você pode obter remunerações.

Mas não é só isso!

A melhor parte da tokenização é poder diversificar a sua carteira com diferentes tipos de tokens, que funcionam de modos completamente diversos.

Alguns ativos tokenizados propiciam investimentos mais conservadores e seguros, outros propiciam investimentos de alto risco, mas com chances de retornos mais altos.

Dessa forma, você tem um novo leque de opções para somar com as suas aplicações em ações e criptomoedas.

Preparamos este artigo para você saber tudo sobre diversificação de investimentos com tokens.

Vamos lá?

O que é diversificar investimentos?

A diversificação de investimentos é uma estratégia para mitigar riscos e restringir a exposição a eventuais prejuízos.

Quem já está mais acostumado com o universo da bolsa de valores e das criptomoedas conhece bem este conceito.

Diversificação de carteira significa alocar o seu dinheiro em diferentes tipos de investimentos tanto da renda fixa quanto da renda variável. Ao mesmo tempo em que você mantém uma reserva de emergência.

A ideia aqui é manter a mente aberta e não se focar apenas em alguns produtos específicos. Apostando em variedades, você tem mais chances de que quando determinado investimento estiver em queda, outro esteja em alta.

Para diversificar a sua carteira de investimentos, você precisa, então, organizar o seu dinheiro e aplicá-lo em ativos e setores variados.

E é necessário ter em mente que os ativos escolhidos estejam enquadrados em seu perfil de investidor e em seus objetivos.

Por que a diversificação de investimentos é importante?

Um dos motivos para diversificar sua carteira é não perder o contato com outros tipos de investimentos que podem crescer e apresentar rentabilidades vantajosas para você.

Não adianta nada ser um grande especialista em apenas um aspecto do mercado financeiro e fechar os olhos tanto para outras oportunidades que já existem quanto para novos modelos que podem surgir.

Outra razão para diversificar é evitar o risco da ruína, que significa perder tudo.

Se todo o seu dinheiro está alocado no mesmo ativo, no mesmo setor ou na mesma modalidade de investimento, você está mais apto a sofrer grandes impactos caso ocorra algum imprevisto.

A diversificação de investimentos permite que você tenha mais flexibilidade para movimentar o seu dinheiro entre ativos e aproveite os melhores momentos.

É exatamente a partir desta premissa que você pode usar tokens para diversificar investimentos.

Como os tokens ajudam na diversificação de investimentos?

Os tokens são uma oportunidade recente para diversificar seus investimentos.

Eles abrem um novo portfólio para se somar aos da bolsa de valores e ao das criptomoedas. Sendo assim, investir em tokens não é o mesmo que investir em outros criptoativos.

A tokenização abre possibilidades inéditas de diversificação, o que já é um ótimo motivo do por que investir em tokens.

E isso acontece por dois motivos principais.

Custos reduzidos e maior acesso a ativos

O primeiro deles é a chance de acessar ativos tradicionais, como participação de empresas ou títulos de dívidas, distribuídos de maneira mais eficiente.

Isso faz com que os mesmos ativos aos quais você já está acostumado possam se tornar mais rentáveis, pois muitas vezes incluem menos intermediários e menos custos que poderiam reduzir o retorno do investimento.

Aqui, a diversificação com tokens segue os mesmos preceitos de outras modalidades do mercado financeiro, porém com as vantagens da tokenização.

Acesso a ativos inovadores

O segundo motivo é o fato de que os tokens possibilitam o acesso a ativos que até então não eram passíveis de investimentos e que geram remunerações de maneiras muito diferentes.

Entre estes ativos tokenizados inovadores, podemos citar direitos sobre atletas ou artistas, projetos imobiliários, obras de arte, recebíveis, participação de empresas pequenas e muito mais.

Dessa forma, a diversificação de investimentos pode ficar ainda mais plural.

Isso porque ela passa a envolver uma variedade de ativos que antes não eram acessíveis e que podem mitigar riscos por oferecerem retornos não associados a outros produtos financeiros tradicionais.

Como fazer a diversificação de investimentos com tokens?

Para diversificar investimentos com tokens, você deve seguir algumas das mesmas estratégias que as outras modalidades utilizam.

Isso quer dizer que você pode incluir em sua carteira tokens:

  • de ativos diferentes;
  • de setores econômicos variados;
  • cujas remunerações operam de modos distintos;
  • que equilibrem riscos mais baixos e riscos mais altos;
  • que remuneram a partir de moedas com valorizações díspares.

Isso pode ser realizado na prática de maneira muito simples.

Você pode começar adquirindo tokens de mecanismo de solidariedade, por exemplo. Então, pode optar por tokens de recebíveis que apresentem riscos mais baixos, depois, escolher tokens de participação de empresa e assim por diante.

Você pode montar a sua carteira aos poucos, então, não há motivo para ansiedade.

A diversificação de seus investimentos em tokens vai depender tanto dos seus objetivos quanto do próprio mercado e das ofertas às quais você tiver acesso.

Lembre-se também de diversificar dentro dos tipos de tokens, ou seja, tente comprar tokens de mais de uma empresa ou startup, mais de um clube de futebol e mais de um recebível.

Por fim, vale repetir: uma carteira diversificada de investimentos se constrói com o tempo! O mais importante é conhecer a estratégia e ir aplicando-a sempre que possível.

 

 

 

 

 

Como obter as informações de um token na Blockchain?

Blockchain é bastante conhecida por aqueles que estão no mercado de investimentos, principalmente quando falamos sobre a tokenização de ativos. Afinal de contas, é ela que concentra todas as informações relacionadas às transações realizadas.

Entretanto, uma das dúvidas que muitas pessoas possuem é como obter as informações de um token na Blockchain.

Por isso, preparamos este artigo com tudo o que você precisa saber sobre esse assunto!

Boa leitura!

O que é e como funciona a Blockchain?

Você sabia que foi a partir do bitcoin, em 2008, que a tecnologia da Blockchain foi executada pela primeira vez? Por conta desse evento, o ano ficou marcado como o do surgimento dela.

Mas é importante ressaltar que a Blockchain não é apenas uma única tecnologia feita para resolver todos os problemas relacionados ao mercado. Ela incorpora diversas tecnologias e estudos voltados para as mais diversas áreas, como, por exemplo:

  • criptografia de chaves;
  • hashing numbers;
  • autenticações;
  • entre muitas outras!

Podemos dizer que a Blockchain funciona como um livro contábil. É nela que estarão concentradas todas as informações relacionadas às transações realizadas, como, por exemplo, a quantia de tokens transacionados, quem os enviou e recebeu, a data das transações e muito mais!

As informações ficam armazenadas em blocos que possuem data e hora e, de tempos em tempos, blocos novos são formados e se unem aos que já existem. Por isso o nome, que, traduzido para o português, significa “cadeia de blocos”. E essa cadeia é imutável!

Antes de serem inseridas na cadeia, todas as informações são validadas e precisam, obrigatoriamente, ser aprovadas. Assim que o processo é completado, elas ganham um código formado por letras e números que será a nova “identidade” de cada uma das informações.

Assim, podemos concluir facilmente que uma das principais importâncias da Blockchain é manter registradas todas as transações e garantir a segurança dos dados presentes nelas.

Como você pode obter as informações de um token na Blockchain?

Para responder essa pergunta, primeiramente precisamos explicar brevemente sobre o conceito das wallets. Elas permitem a realização de transações, monitoramento e armazenamento de tokens.

Entretanto, as wallets serviram apenas como uma interface de controle e acesso dos seus criptoativos. Todos os registros (as datas das transações, quem são os detentores dos tokens, a quantidade que cada um possui) ficam registradas na Blockchain.

Para que você possa interagir com um token na Blockchain, é necessário que tenha a chave necessária para isso. E é aí que entram as wallets.

As wallets se comunicam com a Blockchain e gerenciam os pares de chaves públicas/privadas relacionadas ao endereço dela. E apenas a pessoa que possui a chave privada pode acessar os tokens.

Se o token representar um ativo, o proprietário pode iniciar a transferência dos tokens assinando com sua chave privada, que, por sua vez, gera uma impressão digital ou assinatura digital.

Caso o token represente um direito de acesso a algo que outra pessoa possui, o proprietário desse token pode iniciar o acesso assinando com sua chave privada, criando assim, uma impressão digital.

Mas, se o token representar uma votação, o proprietário desse token pode votar assinando com sua chave privada, criando uma assinatura digital.

E essa não é a única forma de encontrar informações sobre um token na blockchain!

Cada token também possui um endereço na blockchain na qual foi emitido. E você pode acessar esse endereço para ter acesso às informações, incluindo aquelas que estão presentes no Smart Contract.

É simples assim! Basta você acessar a sua wallet ou o endereço do token na blockchain que você pode ler todas as informações relacionadas.

Afinal, é seguro?

Entenda que um fato importante sobre a Blockchain é que ela é totalmente descentralizada. Isso significa que ela não conta com um servidor central de armazenamento de dados, mas, sim, vários servidores conectados entre si.

Eles utilizam a computação em nuvem para processar, reunir e armazenar todos os blocos de dados e estão espalhados por todo o mundo. Com essa descentralização, há uma maior proteção para tudo o que está contido na Blockchain e as invasões aos dados se tornam mais difíceis.

Investir em tokens pela Blockchain é seguro, uma vez que os dados não podem ser alterados. Além disso, por conta do processamento, organização e armazenamento descentralizado deles, você evitará dores de cabeça envolvendo o roubo de informações.

Para garantir que todas as transações sejam devidamente cumpridas pelas partes acordadas, a Blockchain ainda conta com a tecnologia dos Smart Contracts.

 

 

Quais são os principais riscos ao investir em tokens?

Precisamos falar sobre os riscos de investimentos em tokens! Como a tokenização é um tema recente no Brasil, ainda existem muitas dúvidas a respeito do tema.

Para explicar da melhor maneira possível, vamos falar aqui sobre os 3 principais tipos de riscos que ficam na cabeça de quem quer investir em tokens:

  • Risco Tecnológico
  • Risco Jurídico
  • Riscos de Ativos

Além disso, vamos indicar alguns processos que você mesmo pode fazer antes de investir para mitigar os riscos na seção: cuidados ao investir em um token.

Para adiantar o assunto, vale a pena ressaltar que quase não há riscos no âmbito tecnológico e jurídico, o que vamos desenvolver mais para a frente.

Do ponto de vista dos ativos, os riscos são os mesmos de qualquer outro tipo de investimento.

Fique com a gente, que explicaremos tudo!

Vamos lá?

Risco de investimentos em token: Tecnológico

Quando falamos dos riscos tecnológicos nos investimentos em tokens, uma palavra é fundamental: blockchain, também conhecida como “protocolo de confiança”.

A função da blockchain é atuar como um livro de registro de todos os dados fundamentais para as transações, como emissor, destinatário, data e quantidade de tokens enviados ou recebidos.

Esses dados ficam registrados em um bloco com data e hora. Constantemente, um novo bloco é acoplado ao anterior, guardando as novas informações e montando essa “cadeia de blocos”.

Todos os dados são validados e, obrigatoriamente, aprovados antes de serem incluídos na blockchain. E, quando passam a fazer parte da cadeia, eles são codificados complexamente por letras e números.

Todos os blocos são interdependentes. Dessa forma, se alguém tentasse invadir o sistema, seria obrigado a desvendar todos os incontáveis códigos presentes na cadeia.

A principal função da blockchain é assegurar a proteção e o registro dos dados, o que traz segurança para o investimento em tokens de ativos e para outros setores que tokenizam.

Por isso, a rede é descentralizada, não há um servidor central, mas diversos servidores interconectados. Essa propriedade dificulta ainda mais qualquer possibilidade de ataque.

Na parte tecnológica, os riscos de investimentos em tokens são praticamente nulos. E, para somar a isso, a blockchain ainda pode dispor dos Smart Contracts para que todas as cláusulas sejam seguidas.

Então, chegamos à questão jurídica.

Risco de investimentos em token: Jurídico

No âmbito jurídico, os Smart Contracts são um dos cuidados ao investir em tokens que os emissores ou a empresa tokenizadora elaboram para a segurança das negociações.

Os Smart Contracts operam da mesma maneira que um contrato físico: regulamentam as obrigações e os benefícios para todas as partes. Além de eventuais penalidades que possam se abater em caso de quebras de contrato.

Esses contratos inteligentes também incorporam certos termos que foram pré-programados na blockchain, tornando praticamente automática a validação, que acontece por meio de cliques.

Além disso, eles são imutáveis, ou seja, não podem ser fraudados. E todas as cláusulas devem ser explícitas para que não ocorra divergência de interpretações.

Na perspectiva jurídica, os Smart Contracts mitigam a maior parte dos riscos de investimentos em tokens.

Então, não há risco algum para esse tipo de investimento?

Não é bem assim, as principais incertezas têm a ver com os ativos, como veremos a seguir.

Riscos de investimentos em tokens: Ativos

Os principais riscos para os tokens são os mesmos de qualquer investimento.

Isso quer dizer que o investidor está sujeito, de maneira geral, a riscos de mercadode crédito e de liquidez.

Vamos explorar esse assunto mais a fundo.

Riscos de mercado

Um dos principais riscos de investimentos em tokens é derivado do próprio mercado.

Afinal, existem diferentes aspectos que podem gerar incertezas dependendo do seu tipo de token.

Alguns elementos que estabelecem riscos de mercado são:

  • curvas de juros
  • oscilações de commodities
  • volatilidade
  • taxas de câmbio

Além disso, existem questões externas que também integram o risco de mercado, como mudanças nas regulamentações ou tributações dos países.

Entender esses riscos é ainda mais importante para os investidores interessados em security tokens ou que realizam investimentos de alto risco.

Riscos de Crédito

Como existem os tokens de dívidas e antecipação de recebíveis, um dos riscos de investimentos em tokens é o de crédito.

Ele basicamente se resume à possibilidade de que a parte que deve realizar o pagamento não cumpra com suas obrigações.

Tanto os casos de não pagamento quanto os casos de atrasos recorrentes no pagamento são chamados de inadimplência.

Riscos de Liquidez

Uma das vantagens da tokenização é oferecer maior liquidez para ativos que costumavam ser mais difíceis de negociar. Porém, o risco de liquidez ainda é uma possibilidade nos investimentos em tokens.

Liquidez é transformar um ativo em dinheiro, geralmente a partir da venda do mesmo.

Sendo assim, o risco é não conseguir vender seus tokens, seja pela ausência de compradores ou pelo tempo de duração pré-determinado dele.

Também há a possibilidade de haver compradores, mas apenas dispostos a pagar valores muito baixos. Este também é um exemplo de risco de liquidez.

Agora que você conhece os principais riscos, vale a pena conhecer algumas práticas que você pode adotar para diminuí-los.

Cuidados ao investir em um token

Nos investimentos em tokens, quase não há riscos em relação à segurança jurídica ou às informações digitalizadas. Todos esses processos contam com proteções excepcionais.

Fora eles, como em qualquer tipo de investimento, não existe uma fórmula mágica para evitar os riscos. Até porque, quanto mais alto o risco, provavelmente maior será o retorno.

Porém, existem certas atitudes que você pode tomar para mitigar esses riscos.

Conheça o direito adquirido

Todo token representa o direito sobre determinado ativo.

Portanto, sempre que for investir em tokens, faça questão de saber qual direito você está adquirindo.

Pense em longo prazo

Sempre tenha em mente que investimentos são operações a longo prazo.

Quando estiver escolhendo um token para investir, pense se ele pode gerar rentabilidades futuras e se tende a ser valorizado.

Pesquise por conta própria

As melhores tokenizadoras fazem uma pré-seleção de ativos que se tornam ofertas em suas plataformas, levando em conta seus potenciais de lucratividade.

Mesmo assim, é fundamental que você saiba quais tokens fazem sentido com o seu perfil de investidor.

Além disso, é importante fazer uma pesquisa sobre a empresa dona do ativo tokenizado e sobre as características e os riscos próprios ao mercado do qual ela faz parte.

Ainda com dúvidas? Consulte nosso FAQ

Seja bem vindo ao presente e ao futuro do dinheiro. Faça o seu pré cadastro e em breve você receberá o convite para abertura de conta e acesso as melhores ofertas de investimento.